06 novembro 2014

Das políticas do amor

Os comunistas odiariam meu amor
maior que meu país

e me odiaram os consumidores
por só te consumir

e me odiariam os conversadores
porque me autodestruo ouvindo os de cima

e os debaixo: vivem como demônios me perguntando
como se faz?

o quê? por que amor foi feito antes de nós, meu amor, e nós iremos lutar por dentro
contra tudo e todos?

já foi-se o tempo da espada e capa e máscaras-de-ferro.

eu não sei
eu não sei
meu amor

eu não sei qual a saída, que se não é morte, é bem-vinda, tentei amar (quem não te fosse)
e tentei colocar algum nome por cima da cama

tentei esparramar meu humor, amor, dor, tudo é com esse não-infinitivo.

e me obrigam a ser sóbrio
e me obrigam a ser mais que isso
ou menor

só que pequeno já nasci. nem por isso pássaros menores deixaram de cantar.

Postar um comentário