05 setembro 2013

Um

eu caminhei por anos e anos
em escuridão e luz.

eu caminhei sem você nos meus braços
mas que de carnalidade precisa o amor?

se era simples te sorrir. eu caminhei sem pensar no futuro. ou no presente. eu caminhei, e parei algumas vezes para descansar. segui em frente e em círculos. e quando não éramos mais tão jovens eu estive lá.

eu estou aqui. eu andei sem bússola e evitei os mares: sinceramente os mares me causam arrepio.

eu estive na terra. eu andei em terrenos fracos, até perto dos rios. eu estive sóbrio. eu estive perdido.

mas não mais: de frente ao teu espírito, meu amor é o mesmo. eu já te perdoei. eu já me perdoei.

o teu amor que me fez humano e me prossegue. eu não estou mais perdido, eu não estou mais entre as florestas. eu estou com frio. eu já sei nadar. eu sou um nome crescente.

e nós, meu amor, é apenas mais um desses pronomes que não nos pertence.
Postar um comentário