21 fevereiro 2010

nesta noite ao menos

se chegaste até aqui
prossegue em mim como a tecla suada de desistir

eu cheguei num lugar incrível: se não cuidar de ti - saberei cuidar dos teus dedos

disparar em palavras é mais fácil: sempre é mais fácil mentir por elas

esta é a noite que estou indo até você.

ninguém sou be do perigo desta paciência
ningué m sou
do perigo desta inocente sina:
dois homens imprudentes

(vê o quanto me arrisco. vejo que não tens medo. vê que falo de todos. vejo que ris por isso. vê que não envelhecemos e tu me curaste com teus ouvidos. eu é que não paro. eu te curei comigo. quando tu e isso não acabar mais. vemos que os outros não puderam. os outros não prosseguiram. parar-nos quem?)

Nós conseguiremos não escrever deste roteiro
por favor, não nos escrevamos tanto:
por que a ficção não nos habite

(mais em nós. não. mais em nós sem ficção)

E por fim sabemos: o destino nos uniu sem piedade daqueles?
(só nós sabemos que doemos durante tanto tempo e agora que nos temos mais que irmãos não poderiam nos tirar)

(penso em você. penso em você. penso em você. como imaculados somos deste mundo estranho.)
Eu redigi uma carta a ti. - porque não paro mais. ao menos, nesta noite: abaixo
Postar um comentário