14 setembro 2009

por entre as meias

Agora dormir
antes
espiar-te pela memória recente

o beijo quase-beijo nos teus ombros
e o narizinho vermelho de vergonha
era
a timidez de um encanto

um bom sonho que de tátil em tátil
me seduz ao improvável
aquilo que não se prova de mãos fechadas
e o corpo semi-nu quase suava por
entre as
lavadeiras
e os seus barulhos
giratórios
omissos de nós que ficamos um tempo parado
vendo
a espuma escorrer

era o silêncio de um selo dado: estava aí o nosso amor

meu amor, meu amor, só de sorrir...
Postar um comentário