20 maio 2009

sabes agora como fazer de dois mais dois: coisa do infinito.

E sente finalmente crescendo o poder

que

tens e tinhas

e terá, de um futuro hoje

eu sobrevivi



tens direito sobre a minha

virgindade

e mais: que é direito humano: de saber a verdade.



não, embora tenham nomes os nomes do amor

eu tenho um: sagrado e meu

que dou por Pensamento, não poesia nem por verbo



Pensavas

então

pensavas: desta maneira aí: é que salvaste o dia inteiro

dessa energia que em atropelo fez

de mim

algo alegre



nada nos roubamos

e embora tenhamos pensado

quantas e quantas vezes pensaste em morrer

ou não viver direito por conta de não me lembrar?



faz isso contigo não

é dor que te cala e infecta a mim

também

que me calo e infecto um mundo de desejos

que sou destinado a recusar.



de mim tens a alegria por quantos meses forem

e quantas vezes forem

para lhe entregar

só tu sabias: e eu te dize baixo.



se há loucura minha

ainda: não duvido: mas me comporto em poucas células minhas

agora são muitas químicas num organismo frágil: fungo frágil e amável

por ti.



pediste que eu voltasse, e sem querer: fui mesmo arrebatado.

porque nos braços do cristo ia muito bem. mas não é o cristo nem o diabo

é o homem

que fez de mim amor.



nunca entederás talvez sim

que amor é coisa boa, não ruim: e se pode fazer só

ou não.

só. ou contigo: quando te alegras, simplesmente ao me ver.



nada de culpo. nem as verdades. nem as ilusões

sejam de fato: a

seja! a humanidade grande

e merecida.



Posto nós vivamos aqui.

Sabes agora como me manter vivo. Não sabes?



- que eu disse: sim, em regozijo.



e me castro, até que abras, em outro lado, o que é teu.

permanente e com a paciência dos mortos ancestrais e dos que nos virão.



este não é Um sinal é um entre todos

e todos virão mais.

no entanto, já podes confiar: que confio em ti.



não morrerás

como pediste apenas

dei provas

com dor que era verdadeiro amor de gente pra gente.



não sei carnificar o que nesta terra não é carne

e por isso se por isso quiseste é que te peço desculpas: outra tantas flores belas que te protegem e guardam já me realizam.



e se é algo último que te pediria; até o próximo encontro: esteja sorrindo. Porque nós vencemos um mundo de destinos e ainda assim nos mantemos no caráter mais nobre do que pudemos ou conseguimos.



te escreveria mil escritos: o não-acontecido aconteceu quando de a mim entregaste vida.



(que o mundo leia em poesia).
Postar um comentário