30 janeiro 2009

pentagrama

ele girou
e quando gira
é início de magia
dessas que a gente só percebe quando estremece
(um dedinho por exemplo ou um pigarro também)

ele girou
e de cabeça para o centro
para baixo em frente a tudo: desfreia

gira, gira
como giram os símbolos todos

o meu pentagrama é o pentragam dos
tolos
e neles me alimento
dia e o dia que eu quero
(ou necessito)

que se modula em cinco pontas
e cinco pontas são as facas
ou os mistérios

O pentagrama gira
no meu dorso, gira
e eu sei
que daí sairá o esquisito

Não é o esquecimento que te fará
em paz
mas a lembrança constante e
que suga constante de ti
é o que me trará a ressurreição
(porque também eu espero por ela!)

que não quereria viver inúmeras vivas
ainda que de bruxaria
houvesse o nome
costurado

deus não me perdoa
porque não é pecado.
exploSão: equilibradamente
muito fingidamente, explodo, talvez: por um lapso
transpareça.

não é o intuito de sermos gente
desaparecer? (por entre a multidão)
é - quando nos confundimos tanto
neste giro em pele pele tatuada
que chega rente
ao ânus
e me diz assim:
fala baixinho, porque EU estou aqui.
Postar um comentário