10 janeiro 2008

no verão

É neste verão que deixo a minha alma também se aquecer
de uma luz esta e outra

da luz que se ergue das profundezas, porque temos nos acostumado a esperá-la de cima

dessa pequena ternidade entre os meus, todos meus e nossos que somos nesse inter-ser no ser do mundo.

deixo de pensar e caminho com olhos abertos até minha alma que encontra em lagos muito bem imaginados coisa pura de se banhar.

nessa trilha que vou enquanto por fora da pele é tempo quente também: e aí duas quenturas me completam.

amo o verão e alegria que se estende desse sol, e a superfície que se ergue de um olhar monge mas autêntico de paz.

sempre fui assim, corri aventuras e corro quando sento em colo macio (ainda que o meu próprio) sobre Venturas

e minhas ventanas respiram o futuro e o presente e o passado tudo num pacote de bom bocado
Postar um comentário