12 dezembro 2007

Crônicas Íntimas

Eu chamo assim aquilo que me distrai entre as materialidades
e considero matéria: tudo e todas as possíveis invenções de verdades humanas.

Assim, também decido por qual invenção acreditar e me compartilhar

De fato, ao final: é à pele e à qualidade humana de ser bom que Existo.

A pele: qual pele? A pele de todos os sentidos: do coração entre o tórax também.

A película membrana dos olhos.

A pele, sensual, evidentemente, mas também sob-ela.

(P.S.: O que me preocupa não é as horas, mas em qual delas gostaria de estar contigo. Tu, que me lês agora, entendes do que digo?).

Sobre a qualidade humana de ser bom: compreenda à sua maneira, estamos em território livre aqui.
Postar um comentário