15 agosto 2010

por ti.

deixaste uma ausência no meu pescoço

mas que nem era de sufoco
era uma saudade bem apertada que de pouco em pouco me alegrava
como é latente do meu cheiro suando em teus ouvidos:
a voz bem macia de lhe dizer que amo.

e amava tão sinceramente que nosso tempo de criança não se desprendia
corro um pouco de mim: não quero te enlouquecer sozinho

quero-te por companhia
e - terna.
Postar um comentário