11 março 2010

hora-me

protege-me amor
das interferências dos séculos em meu s tantos pensamentos não s
ão
obscuros assim, missa de trás pra fre n te é pecado.

reze-nos então, amor
que a cançã-o u tra era frágil demais
em mais
não adoeço: me fortaleço no mundo

sabe-nos amor, que um dia imundo foram os teus dedos
aos quais me lembro, se não lavei por preguiça tam
bém por cuidado: não queria atrapalha r lhe os gestos.

protege-me amor do
s dois lados.

(deplora-s qu em sabe o
espirro que me desf
iz em ti).
Postar um comentário